Quackwatch em portugu�s ||| Propaganda Enganosa de Antioxidantes

Antioxidantes e Outros Fitoqu�micos:
Perspectiva Científica Atual 

Stephen Barrett, M.D.

Muitos produtos � base de "antioxidantes" s�o comercializados com alega��es que, por bloquearem a a��o dos radicais livres, podem ajudar a prevenir doen�as card�acas, c�ncer e v�rias outras condi��es associadas com o envelhecimento. 

Os radicais livres s�o �tomos ou grupos de �tomos que t�m ao menos um el�tron desemparelhado, o que os tornam altamente reativos. Os radicais livres promovem uma oxida��o ben�fica que produz energia e mata invasores bacterianos. Em excesso, entretanto, produzem uma oxida��o prejudicial que pode danificar membranas e conte�dos celulares. � sabido que as pessoas que ingerem quantidades adequadas de frutas e vegetais ricas em antioxidantes t�m uma incid�ncia menor de doen�as cardiovasculares, certos c�nceres e catarata. Frutas e vegetais s�o ricos em antioxidantes, mas n�o se sabe quais fatores diet�ticos s�o respons�veis pelos efeitos ben�ficos. Cada planta cont�m centenas de fitoqu�micos (subst�ncias qu�micas vegetais) cuja presen�a � imposta por fatores heredit�rios. Somente pesquisa de alta qualidade � longo prazo pode determinar se alguma dessas subst�ncias qu�micas, tomadas em um comprimido, seriam �teis para prevenir alguma doen�a. 

Os fitoqu�micos mais divulgados que possuem propriedades antioxidantes s�o a vitamina C, a vitamina E e o beta-caroteno (o qual o corpo converte em vitamina A). Existe evid�ncia de que a vitamina E pode ajudar a prevenir a aterosclerose por interferir com a oxida��o das lipoprote�nas de baixa-densidade (LDL), um fator associado com o aumento do risco de doen�as card�acas. Entretanto, a vitamina E tamb�m tem um efeito anticoagulante que pode promover sangramento excessivo. Em 1993, The New England Journal of Medicine publicou dois estudos epidemiol�gicos que descobriram menor n�mero de mortes por doen�as card�acas entre as pessoas que usaram suplementos de vitamina E [1,2]. Estes estudos n�o provaram que o uso de vitamina E seja �til porque n�o levaram em conta os efeitos de outros fatores no estilo de vida ou consideram a mortalidade por outras doen�as. Al�m disso, outros estudos mostraram resultados conflitantes. A �nica maneira de resolver a quest�o cientificamente � conduzir estudos cl�nicos duplo-cego � longo prazo comparando usu�rios de vitaminas com n�o usu�rios e conferir a mortalidade por todas as causas.

Ensaios Cl�nicos T�m Sido Desapontadores

At� agora, os resultados de ensaios cl�nicos t�m sido na maior parte negativos. O primeiro estudo comparou os efeitos da vitamina E (alfa-tocoferol), beta-caroteno e um placebo entre fumantes pesados. Os pesquisadores n�o encontraram nenhum benef�cio da vitamina E e uma eleva��o de 18% em c�ncer de pulm�o entre aqueles que receberam beta-caroteno. Al�m disso, a mortalidade total dos que receberam beta-caroteno foi 8% maior, e aqueles que usaram a vitamina E tiveram uma freq��ncia maior de derrame hemorr�gico [3]. Em 1997, os pesquisadores relataram sobre o efeito da vitamina E ou beta-caroteno na incid�ncia de ataques card�acos ou morte entre as pessoas que haviam tido um ataque card�aco pr�vio (infarto do mioc�rdio). O trabalho envolveu 1.862 homens entre 50 e 69 anos que foram acompanhados por uma m�dia de 5,3 anos. Os homens receberam suplementos diet�ticos de alfa-tocoferol (50mg/dia), beta-caroteno (20 mg/dia), ambos, ou um placebo. Houve significativamente mais mortes por doen�as coronarianas entre aqueles que usaram suplementos de beta-caroteno, e uma tend�ncia de mais mortes (mas n�o o suficiente para ser estatisticamente significativo) no grupo da vitamina E [4].

O segundo estudo n�o encontrou nenhuma evid�ncia de que suplementa��o com vitamina C, vitamina E ou beta-caroteno previnam o c�ncer colorretal [5]. O terceiro estudo, que acompanhou 22.000 m�dicos por 12 anos, n�o encontrou nenhuma diferen�a nas taxas de c�ncer ou doen�a cardiovascular entre os usu�rios e n�o usu�rios de beta-caroteno [6]. O quarto ensaio, que testou uma combina��o de beta-caroteno e vitamina A, foi encerrado ap�s quatro anos porque parecia que os usu�rios de suplementos que fumavam tinham uma incid�ncia 28% maior de c�ncer de pulm�o e uma mortalidade 17% maior [7].

Mais recentemente, um estudo cl�nico duplo-cego mostrou que o uso de altas doses de vitaminas C e E e beta-caroteno n�o reduziu as probabilidades de reoclus�o arterial ap�s angioplastia coronariana por bal�o. Os pacientes foram divididos em grupos que tomaram probucol (uma droga redutora de colesterol), probucol mais os tr�s antioxidantes, apenas os antioxidantes ou um placebo. Mais de 200 pacientes completaram o estudo sem viola��es do protocolo. Pacientes nos grupos antioxidante receberam 30.000 UI de beta-caroteno, 500 mg de vitamina C e 700 UI de vitamina E duas vezes ao dia. Todos os pacientes receberam aspirina, a qual � sabidamente redutora da incid�ncia de reoclus�o. Ap�s seis meses, as taxas de repeti��o da angioplastia foram de 11% no grupo do probucol, 16,2% no grupo de tratamento combinado, 24,4% no grupo de multivitamina e 26,6% no grupo placebo [8].

Outro estudo envolveu 2.545 mulheres e 6.996 homens com mais de 55 anos de idade que apresentavam um alto risco de desenvolver eventos cardiovasculares porque tinham doen�a cardiovascular ou diabetes em conjunto com um outro fator de risco. Esses pacientes foram aleatoriamente designados a receber ou 400 UI de vitamina E natural ou um placebo semelhante por uma m�dia de 4,5 anos. N�o houve nenhuma diferen�a significativa em ataques card�acos, derrames ou mortes entre os grupos vitamina E e placebo. Os pesquisadores conclu�ram que "Em pacientes com alto risco de desenvolver eventos cardiovasculares, tratamento com vitamina E por uma m�dia de 4,5 anos n�o tem nenhum efeito aparente sobre resultados cardiovasculares." [9]

J� outro estudo testou aspirina, vitamina E e beta-caroteno na preven��o de c�ncer e doen�as cardiovasculares entre 39.876 mulheres com mais de 45 anos. Entre estas aleatoriamente designadas para receber 50 mg de beta-caroteno ou um placebo em dias alternados, n�o houve nenhuma diferen�a estatisticamente significativa na incid�ncia de c�ncer, doen�a cardiovascular ou mortalidade geral ap�s uma m�dia de dois anos de tratamento e dois anos de seguimento [10].

Charles Hennekens, M.D., que participou em dois dos estudos acima, assinalou que mesmo se os antioxidantes pudessem proporcionar os benef�cios sugeridos pelos estudos epidemiol�gicos, parar de fumar e outros fatores ligados ao estilo de vida teriam um efeito muito maior nas taxas de c�ncer de pulm�o e doen�a coronariana [11]. The Medical Letter concluiu:

Logo ap�s, foi publicado um estudo que pode explicar porqu� doses muito altas de beta-caroteno parecem aumentar as taxas de c�ncer de pulm�o entre fumantes. O estudo foi conduzido em fur�es, que metabolizam beta-caroteno de maneira muita parecida com os humanos. Pesquisadores do Jean Mayer USDA Human Nutrition Research Center na Tufts University relataram que quantidades excessivas armazenadas nos pulm�es oxidaram-se em subst�ncias que diminu�ram um supressor tumoral e aumentaram um promotor tumoral nos pulm�es dos animais. Os fur�es foram divididos em quatro grupos. Um recebeu beta-caroteno e foi exposto a fuma�a de cigarro equivalente ao fumo humano de 1,5 ma�o por dia. Dois outros grupos receberam ou o suplemento ou a exposi��o � fuma�a, e um grupo controle n�o recebeu nada. O primeiro grupo teve as mudan�as pr�-cancer�genas mais fortes [13].

Dois estudos descobriram que antioxidantes podem interferir com a a��o protetora de drogas usadas para melhorar os n�veis de colesterol:

O comit� de nutri��o da American Heart Association lan�ou uma junta consultiva cient�fica para discutir as rela��es entre antioxidantes e doen�as card�acas. A declara��o concluiu:

Evid�ncia consider�vel agora sugere que subst�ncias oxidantes est�o envolvidas no desenvolvimento e express�o cl�nica de doen�as coronarianas e que antioxidantes podem contribuir para a resist�ncia � doen�a. A evid�ncia epidemiol�gica � consistente com este ponto de vista indicando que a ingest�o maior de antioxidantes est� associada com riscos menores de doen�a. Embora esse aumento da ingest�o de antioxidantes geralmente envolva o aumento no consumo de alimentos ricos em antioxidantes, alguns estudos recentes de observa��o sugerem que a ingest�o de n�veis ideais de vitamina E s�o atingidos apenas atrav�s da suplementa��o. Atualmente n�o h� nenhuma evid�ncia proveniente de estudos de preven��o prim�ria, mas os resultados de estudos de preven��o secund�ria t�m mostrado efeitos ben�ficos dos suplementos de vitamina E em algumas doen�as espec�ficas. Em contraste, estudos dirigidos diretamente aos efeitos dos suplementos de beta-caroteno n�o mostraram efeitos ben�ficos e alguns t�m sugerido efeitos delet�rios, particularmente em subgrupos populacionais de alto risco.

Em vista desses achados, a recomenda��o mais prudente e sustent�vel cientificamente para a popula��o geral � consumir uma dieta balanceada com �nfase em frutas e vegetais ricos em antioxidantes e gr�os integrais. Este conselho, que � consistente com as diretrizes diet�ticas atuais da American Heart Association, considera o papel da dieta global em influenciar o risco �s doen�as. Embora a dieta apenas n�o possa proporcionar os n�veis de vitamina E que t�m sido associados com a diminui��o do risco em alguns estudos de observa��o, a aus�ncia de dados sobre efic�cia e seguran�a provenientes de ensaios aleat�rios impossibilita o estabelecimento de recomenda��es para a popula��o em geral em rela��o a suplementa��o com vitamina E. No caso da preven��o secund�ria [prote��o de pessoas que sabidamente j� tem doen�as das art�rias coron�rias], os resultados de ensaios cl�nicos com a vitamina E t�m sido encorajadores e se estudos posteriores confirmarem esses achados, considera��o dos m�ritos da suplementa��o com vitamina E em indiv�duos com doen�a cardiovascular estaria garantida [18].

Em 2003, pesquisadores da Cleveland Clinic conclu�ram que n�o foi comprovado que a suplementa��o a longo prazo com vitamina E ou beta-caroteno seja ben�fica na preven��o de doen�a cardiovascular. Para chegar a esta conclus�o, analisaram sete ensaios controlados aleat�rios de tratamentos com vitamina E e oito com beta-caroteno, cada um dos estudos inclu�a pelo menos 1000 pacientes. A dosagem m�dia variou de 50 a 800 UI de vitamina E e de 15 a 50 mg de beta-caroteno; e o seguimento variou de 1,4 a 12,0 anos. Os ensaios com vitamina E envolveram um total de 81.788 pacientes, e os ensaios com beta-caroteno envolveram 138.113. Comparada com o tratamento controle, a vitamina E n�o aumentou a mortalidade geral ou diminuiu significativamente o risco de morte cardiovascular ou derrame. Beta-caroteno levou a um pequeno mas significativo aumento na mortalidade geral e um ligeiro aumento em mortes por problema cardiovascular. Assim, embora a evid�ncia epidemiol�gica tenha sugerido que esses suplementos de antioxidantes possam ser ben�ficos, ensaios cl�nicos descobriram o contr�rio [19]. 

Em 2003, a U.S. Preventive Services Task Force (USPSTF) concluiu que n�o h� evid�ncia cient�fica suficiente para recomendar suplementos vitam�nicos como uma maneira de prevenir c�ncer ou doen�a card�aca e fez recomenda��es contr�rias quanto ao uso de suplementos de beta-caroteno em fumantes por causa de um poss�vel aumento do risco de c�ncer de pulm�o e morte. A For�a Tarefa, patrocinada pela Agency for Healthcare Research and Quality (AHRQ), � o principal painel independente de especialistas do setor privado em preven��o e aten��o prim�ria. Um porta-voz comentou: 

Suplementos de vitamina podem ser necess�rios para indiv�duos cujas dietas n�o forne�am as quantidades recomendadas de vitaminas espec�ficas e especialmente importante para mulheres gr�vidas ou que estejam amamentando e pessoas com doen�as espec�ficas. Entretanto, os benef�cios de suplementos de vitaminas para a popula��o geral permanecem incertos. . . . H� atualmente uma s�rie de estudos importantes em andamento que podem ajudar a responder essa importante quest�o [20]. 

Antioxidantes para Degenera��o Macular?

Tamb�m est�o sendo realizadas pesquisas para determinar se o uso de suplementos ou a ingest�o de alimentos ricos em antioxidantes podem proteger contra a degenera��o macular relacionada com a idade (AMD, na sigla em ingl�s), uma doen�a em que a por��o central da retina deteriora-se de modo que permanece apenas a vis�o perif�rica. Uma equipe de pesquisadores australianos que acompanhou 3.654 pessoas com mais 49 anos de idade n�o encontrou nenhuma associa��o estatisticamente significativa entre AMD e ingest�o de caroteno, zinco ou vitaminas A ou C, seja pela dieta, suplementos, ou ambos [20]. Outros estudos publicados tiveram resultados conflitantes, com alguns encontrando correla��es e outros n�o [21,22].

O estudo mais elaborado � o Age-Related Eye Disease Study (AREDS), um ensaio cl�nico de 11 centros co-patrocinado pelo National Eye Institute e Bausch & Lomb. Em 2001, os pesquisadores relataram sobre o que tinha acontecido com cerca de 3600 participantes do estudo com  idades entre 55 a 80 anos que foram acompanhados por uma m�dia de 6,3 anos. Pacientes receberam ou altas doses de antioxidantes (500 mg de vitamina C, 400 UI de vitamina E, 15 mg de beta-caroteno); 80 mg de �xido de zinco; os antioxidantes mais zinco; ou um placebo. Nenhum benef�cio foi encontrado em pacientes com uma probabilidade relativamente pequena de progress�o da AMD. Quando esses pacientes foram exclu�dos da an�lise, a probabilidade estimada de desenvolver AMD avan�ado foi de 28% com placebo, 23% com antioxidantes apenas, 22% com zinco apenas, e 20% com zinco e antioxidantes. Os autores conclu�ram que os pacientes com alto risco para progress�o da AMD "deveriam considerar tomar uma suplementa��o de antioxidantes mais zinco como a usada neste estudo". [22]

Promo��es Question�veis

Apesar dos achados negativos da maioria dos ensaios cl�nicos, muitos fabricantes continuam a comercializar antioxidantes como se tivessem comprovado seus benef�cios. Muitos tamb�m promovem misturas de beta-caroteno e outros caroten�ides, os quais, sugerem, podem proporcionar os mesmos benef�cios que as frutas e vegetais. 

Muitos tipos de c�psulas descritas como "concentrados" de frutas e/ou vegetais est�o sendo comercializadas. Entretanto, n�o � poss�vel condensar grandes quantidades de produto em uma c�psula sem perder fibras, nutrientes e muitos outros fitoqu�micos [23]. Apesar de alguns produtos conterem quantidades significativas de nutrientes, estes nutrientes s�o facilmente obtidos por um custo menor atrav�s dos alimentos.

Desde a publica��o do relat�rio de 2001 da AREDS, muitos suplementos diet�ticos t�m sido comercializados atrav�s da Internet para "'promover' e/ou 'preservar'" a vis�o saud�vel. O produto mais amplamente promovido � Ocuvite PreserVision da Bausch and Lomb, que cont�m as quantidades de beta-caroteno, vitamina C, vitamina E e �xido de zinco usados no estudo. Entretanto, The Medical Letter advertiu que (a) a magnitude do efeito relatado foi "modesto"; (b) nenhum dado sugeriu qualquer benef�cio para pessoas que n�o t�m AMD ou que t�m apenas doen�a leve; e (c) a mortalidade aumentada de c�ncer de pulm�o em fumantes que tomaram beta-caroteno em outros estudos � evid�ncia suficiente de que altas doses de vitaminas e minerais n�o s�o necessariamente inofensivas. [24]

Em 2002, a Pharmanex come�ou a promover seu BioPhotonic Scanner para medir "o n�vel de antioxidante no corpo" quando a m�o de uma pessoa � colocada na frente do aparelho. � dito que o teste mede o n�vel de caroten�ides. Logo ap�s sua disponibilidades ter sido anunciada, preenchi o "BioScan Quiz" on-line da companhia, o qual fez perguntas sobre minha ingest�o diet�tica e de suplementos. Descobri que n�o importa a resposta que desse, fui aconselhado a comprar o Scanner e come�ar o uso de algum dos produtos antioxidantes da companhia, os quais s�o bastante caros. At� onde sei, entretanto, nem o scan nem os produtos foram comprovados que levem a uma melhoria no estado de sa�de. Acredito que tanto o scan como os produtos s�o um desperd�cio de dinheiro. 

A Linha Final

H� uma concord�ncia cient�fica geral de que ingerir quantidades adequadas de frutas e vegetais pode ajudar a diminuir a incid�ncia de doen�a cardiovascular e certos tipos de c�ncer. Com rela��o aos antioxidantes e outros fitoqu�micos, a quest�o chave � se a suplementa��o provou trazer mais benef�cio do que preju�zo. At� agora, a resposta � n�o, por isso a FDA n�o permitir� que qualquer uma dessas subst�ncias seja rotulada ou comercializada com alega��es de que pode prevenir doen�as. 

Refer�ncias

  1. Stampfer MJ and others. Vitamin consumption and the risk of coronary disease in women. New England Journal of Medicine 328:1444-1449, 1993.
  2. Rimm EB and others. Vitamin consumption and the risk of coronary disease in men. New England Journal of Medicine 328:1450-1456, 1993.
  3. Alpha-Tocopherol, Beta Carotene Cancer Prevention Study Group. The effect of vitamin E and beta carotene on the incidence of lung cancer and other cancers in male smokers. New England Journal of Medicine 330:1029-1035, 1994.
  4. Rapola JM and others. Randomised trial of alpha-tocopherol and beta-carotene supplements on incidence of major coronary events in men with previous myocardial infarction. Lancet 349:1715-1720, 1997.
  5. Greenberg ER and others. A clinical trial of antioxidant vitamins to prevent colorectal cancer. New England Journal of Medicine 331:141-147, 1994.
  6. Hennekens CH and others. Lack of effect of long-term supplementation with beta carotene on the incidence of malignant neoplasms and cardiovascular disease. New England Journal of Medicine 334:1145-1149, 1996.
  7. Omenn GS and others. Effects of a combination of beta carotene and vitamin A on lung cancer and cardiovascular disease. New England Journal of Medicine 334:1150-1155, 1996.
  8. Tardif J-C. Probucol and multivitamins in the prevention of restenosis after coronary angioplasty. New England Journal of Medicine 337:365-372, 1997.
  9. The Heart Outcomes Prevention Evaluation Study Investigators. Vitamin E supplementation and cardiovascular events in high-risk patients. New England Journal of Medicine 342:145-153, 2000.
  10. Lee IM and others. Beta-carotene supplementation and incidence of cancer and cardiovascular disease: the Women's Health Study. Journal of the National Cancer Institute 91:2102-2106, 1999.
  11. Hennekens CH and others. Antioxidant vitamins: Benefits not yet proved. New England Journal of Medicine 330:1080-1081, 1994.
  12. Vitamin supplements. The Medical Letter on Drugs and Therapeutics 40:75-77, 1998.
  13. Russel R and others. Why megadoses of beta carotene may promote lung cancer. USDA Agricultural Research Service Food & Nutrition Research Briefs, Jan 1999, p. 1.
  14. Cheung MC and others. Antioxidant supplements block the response of HDL to Simvastatin-niacin therapy in patients with coronary artery disease and low HDL. Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular Biology 21:1320-1326, 2001.
  15. Kuller LH. A time to stop prescribing antioxidant vitamins to prevent and treat heart disease? Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular Biology 21:1253, 2001.
  16. Brown BG and others. Simvastatin and niacin, antioxidant vitamins, or the combination for the prevention of coronary disease. New England Journal of Medicine 345:1583-1592, 2001.
  17. Freedman JE. Antioxidant versus lipid-altering therapy: Some answers, more questions. New England Journal of Medicine 345:1636-1637, 2001.
  18. Tribble DL and others. Antioxidant consumption and risk of coronary heart disease: Emphasis on vitamin C, vitamin E, and beta-carotene. American Heart Association Science Advisory. Circulation 99:591-595, 1999.
  19. Vivekananthan, DP and others. Use of antioxidant vitamins for the prevention of cardiovascular disease: meta-analysis of randomized trials. Lancet 361:2017-2023, 2003.
  20. Routine Vitamin supplementation to prevent cancer and cardiovascular disease. U.S. Preventive Services Task Force
    New Topic, 2003
  21. Smith W and others. Dietary oxidants and age-related maculopathy: The Blue Mountains Study. Ophthalmology 106:761-767, 1999.
  22. Age-Related Eye Disease Study Research Group (AREDS). A randomized, placebo-controlled, clinical trial of high-dose supplementation with vitamins C and E, beta carotene, and zinc for age-related macular degeneration and vision loss: AREDS report no. 8. Archives of Ophthalmology 119:1417-1436, 2001.
  23. Phytochemicals. Drugstore in a salad? Consumer Reports on Health 7:133-135, 1995.
  24. Antioxidant vitamins and zinc for macular degeneration. The Medical Letter 45:45-46, 2003.

Quackwatch em portugu�s ||| Propaganda Enganosa de Antioxidantes

Este artigo foi atualizado no site original em 28 de julho de 2003.
Atualizado em portugu�s em 30 de dezembro de 2003.
1