Quackwatch em português ||| O Exagero com o Amálgama de Mercúrio

 

"Odontologia Holística": Um Breve Exame

Stephen Barrett, M.D.
William T. Jarvis, Ph.D.

Um número significativo de dentistas nos EUA tem se desviado do rumo ao se exporem a teorias pseudocientíficas, particularmente na área da nutrição. "Dentistas holísticos" tipicamente alegam que as doenças podem ser prevenidas pela manutenção do "ótimo" da saúde global ou "bem estar". Nos consultórios odontológicos isto normalmente envolve recomendações de suplementos alimentares caros ou um aparelho mastigador de plástico. John E. Dodes, D.D.S., um especialista em charlatanismo na odontologia, tem observado que "bem estar" é "algo pelo qual os charlatães podem ser pagos quando não há nada de errado com o paciente".

Perspectiva Histórica

Boa parte da "odontologia holística" é originada das atividades de Weston A. Price, D.D.S. (1870-1948), um dentista que afirmava que o açúcar não causava apenas cáries nos dentes mas também deterioração física, mental, moral e social. Price realizou uma viagem turbulenta por áreas primitivas, examinou os nativos superficialmente e chegou a conclusões simplistas. Ao mesmo tempo que exaltava a saúde dos nativos, ignorava sua baixa expectativa de vida e altas taxas de mortalidade infantil, doenças endêmicas e desnutrição. Ao mesmo tempo que elogiava suas dietas por não causar cáries, ele ignorava o fato de que pessoas malnutridas normalmente não têm muitas cáries. 

Price sabia que quando pessoas primitivas eram expostas a civilização "moderna" elas desenvolviam problemas dentários e taxas maiores de várias doenças, mas ele foi incapaz de compreender o motivo. A maioria estava acostumada com "fartura ou fome". Quando grandes quantidades de doces repentinamente se tornaram disponíveis, eles se excederam. Ignorantes do valor de equilibrar suas dietas, eles também ingeriram muita gordura e comida salgada. Seus problemas não foram causados por se alimentar com comida "civilizada" mas por abusar dela. Além dos excessos alimentares, as taxas de morbidade aumentadas foram devido a: (1) exposição a micróbios desconhecidos, para os quais eles não tinham resistência, (2) a mudança drástica em seu modo de vida conforme eles largaram atividades físicas estenuantes como caçar; e (3) abuso de álcool. 

Price também realizou estudos precariamente desenhados que o levou a concluir que os dentes com o canal da raiz tratado deixavam escapar bactérias ou toxinas de bactérias para o interior do corpo, causando artrite e muitas outras doenças. Esta teoria da "infecção focal" levou a extrações desnecessárias de milhões de dentes tratados endodonticalmente até que estudos bem desenhados, realizados durante a década de 1930, demonstrarem que a teoria não era válida. 

Melvin Page, D.D.S., um dos discípulos de Price, cunhou a frase "equilibre a química corporal" e considerava a cárie dental um "exemplo notável de desequilíbrios químicos sistêmicos". Page enfrentou problemas com a Federal Trade Commission por comercializar um suplemento mineral com alegações falsas de que deficiências minerais disseminadas eram uma causa subjacente de bócio, problemas cardíacos, tuberculose, diabetes, anemia, hipo e hipertensão arterial, endurecimento das artérias, reumatismo, neurites, artrites, problemas renais e de bexiga, gripes freqüentes, nervosismos, constipação, acidose, piorréia, excesso de peso, peso abaixo do normal, catarata e câncer. Page também alegava que o leite "não era natural" e era a principal causa de gripes, sinusites, colites e câncer. 

A Price-Pottenger Nutrition Foundation de La Mesa, Califórnia, é o repositório para muitos dos manuscritos e fotografias de Price. Foi fundada em 1965 como Weston Price Memorial Foundation e adotou sua denominação atual em 1972. Seus boletins, catálogos de livros e serviços de informação promovem modismos alimentares, terapias com megavitaminas, homeopatia, terapia por quelação e muitas outras práticas dúbias.

Práticas Atuais

Alguns profissionais utilizam a análise de cabelo, análise dietética computadorizada ou testes de screening químico do sangue ou testes musculares, como base para a recomendação de suplementos para "equilibrar a química do corpo" de seus pacientes. A análise do cabelo não é uma ferramenta fidedigna para medir o estado nutricional do corpo. A análise computadorizada pode ser útil para determinar a composição da dieta de uma pessoa e pode ser uma ferramenta legítima para aconselhamento dietético. Os dentistas recebem treinamento nos aspectos nutricionais da saúde dental. Entretanto, poucos são qualificados para realizar um aconselhamento geral sobre a dieta, e os "testes de deficiência nutricional" computadorizados não são legítimos. Os testes químicos do sangue, normalmente obtidos de um laboratório respeitável, são legítimos mas mal interpretados. Ao invés de aceitar as variações dos valores "normais" do laboratório, os "dentistas holísticos" usam limites muito mais estreitos e dizem aos pacientes que qualquer coisa que esteja fora daquele limite significa que os pacientes estão com um desequilíbrio químico e que precisam de um tratamento. O teste muscular é uma parte essencial da cinesiologia comportamental, uma variante da cinesiologia aplicada, um sistema pseudocientífico de diagnóstico e tratamento baseado na noção de que todo problema de saúde pode ser relacionado com um músculo e desequilíbrios nutricionais. Em janeiro de 2000, a Holistic Dental Association tinha cerca de 80 membros listados online.

Desordens da ATM (articulação da mandíbula) e dos músculos faciais podem causar dores faciais e restringir a abertura da boca. Estalidos (crepitações) isolados não são considerados um problema. Alegações de que os problemas na ATM possam influir na escoliose, síndrome pré-menstrual ou problemas sexuais não são apoiadas por evidências científicas. Estudos científicos mostram que 80% a 90% dos pacientes com dores na ATM ficarão melhores no prazo de três meses se tratados com analgésicos simples, bolsa de água quente e exercícios. 

Correção de uma "mordedura incorreta" pode envolver tratamentos irreversíveis tais como rilhar o dente ou firmá-los com restaurações dentais. O tratamento não científico mais disseminado envolve a colocação de um aparelho plástico entre os dentes. Estes aparatos, chamados de aparelhos de reposicionamento ortopédico mandibular (MORAs -- mandibular orthopedic repositioning appliances), tipicamente cobre somente alguns dos dentes e são usados continuamente por muitos meses ou até mesmo anos. Quando usados demais, os MORAs podem levar os dentes do paciente a moverem-se tão para fora da posição apropriada que cirurgias ortodônticas ou de reconstrução facial são necessárias para corrigir a deformidade. 

Os proponentes da "osteopatia cranial", "terapia crânio-sacral", "terapia cranial" e métodos similares alegam que os ossos do crânio podem ser manipulados para aliviar dores (especialmente dores na ATM) e para tratar muitas outras doenças. Eles também alegam que existe um ritmo no fluxo do líquido que envolve o cérebro e a medula espinhal [líquor] e que doenças podem ser diagnosticadas pela detecção de aberrações neste ritmo e corrigidas pela manipulação do crânio. Os proponentes incluem dentistas, fisioterapeutas, osteopatas e quiropráticos. A principal teoria da terapia crânio-sacral é errônea porque os ossos do crânio são fundidos entre si e o liquor cerebroespinhal não tem um ritmo palpável. Num teste recente, três fisioterapeutas que examinaram os mesmos 12 pacientes diagnosticaram "taxas crânio-sacrais" significativamente diferentes. 

Auriculoterapia é uma variação da acupuntura baseada na noção de que o corpo e os órgãos são representados na superfície da orelha. Os proponentes alegam que é eficaz contra dores faciais e doenças que afligem todo o corpo. Seus praticantes espetam agulhas ou administram pequenas correntes elétricas em pontos na orelha que supostamente representam os órgãos doentes. Cursos de auriculoterapia são populares entre os dentistas "holísticos". Complicações com agulhas não estéreis ou quebradas foram relatadas. 

Alguns dentistas alegam serem especialistas no tratamento do mal hálito. Tais dentistas não possuem nenhum entendimento especial e estão principamente interessados em aumentar seus rendimentos através da venda de produtos não comprovados. Um destes produtos o OXYFRESH é vendido através do marketing de multinível com alegações não substanciadas de que elimina odores da boca, limpa os dentes e "problemas" de gengiva. O ingrediente ativo é o dióxido de cloro, que também é utilizado como um algacida em piscinas. 

Alguns dentistas sustentam que dores faciais, doenças cardíacas, artrite e vários outros problemas de saúde são causados por "cavitações" infectadas, dentro dos ossos da mandíbula e maxila, que não são detectáveis pelas radiografias ou tratáveis com antibióticos. Os defensores chamam esta condição de "osteopatia cavitacional" ou "osteonecrose cavitacional indutora de neuralgia (NICO)" e alegam que podem curar o paciente por localizar e raspar os tecidos afetados. Também podem remover todos os dentes que tiveram seu canal tratado e a maior parte do dente vivo perto da área onde dizem haver uma infecção. Não existe nenhuma evidência científica para apoiar esta afirmação ou os métodos diagnósticos e terapêuticos baseados nela. Os proponentes destas teorias duvidosas criaram a American Academy of Biological Dentistry.

Cerca de uma centena de dentistas alegam que o mercúrio das restaurações de amálgama de prata é tóxico e causa uma grande variedade de problemas de saúde, incluindo esclerose múltipla, artrite, dores de cabeça, doença de Parkinson e estresse emocional. Eles recomendam que as restaurações de mercúrio sejam substituídas por restaurações com ouro ou com plásticos e que sejam usados suplementos de vitaminas para prevenir problemas durante o processo. Entretanto, os testes científicos mostraram que a quantidade de mercúrio absorvida a partir das restaurações é apenas uma pequena fração da ingestão média diária oriunda da alimentação e é insignificante. Em 1992 uma revisão extensa pelo Public Health Service dos Estados Unidos concluiu que era inapropriado recomendar a restrição do uso do amálgama dental. O Conselho de Ética, Estatutos e Assuntos Judiciais da American Dental Association considera a remoção desnecessária das restaurações de amálgama de prata "inapropriada e anti-ética".

O principal defensor da toxicidade do amálgama de mercúrio tem sido Hal A. Huggins, D.D.S., de Colorado Springs, Colorado, que se descreve como um dos estudantes de Page. Huggins promoveu o "equilíbrio da química corporal" tão vigorosamente que em 1975 o Conselho de Pesquisa Odontológica da American Dental Association condenou a dieta que ele recomendava. Outro seguidor de Price é George A. Meinig, D.D.S., cujo livro Root Canal Cover-up Exposed foi publicado em 1994. 

Em meados da década de 1980 a U.S. Food and Drug Administration (FDA) forçou Huggins a interromper o comércio de produtos minerais com alegações falsas de que eles poderiam ajudar o corpo a se livrar do mercúrio. Huggins também alegava que o tratamento de canal podia tornar as pessoas susceptíveis a artrite, esclerose múltipla, esclerose lateral amiotrófica e outras doenças auto-imune. A exemplo das restaurações de amálgama de mercúrio, não há nenhuma evidência objetiva que os dentes com os canais tratados tenham qualquer efeito adverso sobre o sistema imunológico ou qualquer outro sistema ou parte do corpo. A licença de odontologia de Huggins foi revogada em 1996. Durante o processo de revogação o juiz de direito administrativo concluiu: (1) Huggins diagnosticou "toxicidade por mercúrio" em todos os pacientes atendidos por ele em seu consultório, mesmo alguns sem restaurações com mercúrio; (2) ele também recomendou a extração de todos os dentes que tinham sido submetidos ao tratamento de canal; e (3) os tratamentos de Huggins eram "imposturas, ilusórios e sem base científica".

 

Quackwatch em português ||| Mais sobre o Amálgama de Mercúrio

Este artigo foi revisto no site original em 5 de janeiro de 2000.

1