Quackwatch em português ||| Homeopatia: O Maior de Todos os Embutes

 

Notas Sobre um Congresso de Homeopatia

Renan Moritz Varnier Rodrigues de Almeida, Ph.D.

Foi realizado, entre 29 de novembro e 01 de dezembro, em Campinas, promovido pelo GEMHCA - Grupo de Estudos Médicos Homeopáticos de Campinas e pelo Departamento de Homeopatia da SMCC (Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas), o CONGRESSO MÉDICO HOMEOPÁTICO DO SÉCULO XXI. Em um certo sentido, não deixa de ser uma boa oportunidade para conhecer a homeopatia.

A primeira coisa que se observa é que este congresso anuncia que "seu objetivo é promover um debate científico sobre a especialidade médica da Homeopatia", e, em seu material de divulgação, diz que nele "…será debatida pela comunidade científica, entre outras questões, a eficácia da terapêutica homeopática." Ora, nada mais falso. Teria sido intelectualmente mais honesto se a organização do congresso tivesse dito que o congresso iria "divulgar a homeopatia" ou o que quer que seja, mas dizer que nele "(será debatida sic) … entre outras questões, a eficácia da terapêutica homeopática."? Basta ver a lista de palestrantes (todos homeopatas) para perceber que este não é o caso. Se um dos objetivos fosse realmente este, por quê pessoas que há anos participam desse debate, como o Prof. Renato Sabbatini, da própria Campinas, não foram convidadas?

Mas, de qualquer maneira, muito se pode aprender com este evento. Em sua página de artigos científicos, o congresso lista alguns trabalhos que apontaram resultados positivos para a homeopatia. Abaixo é reproduzido o texto relevante, comentários em vermelho:

RESUMOS DE PESQUISAS INTERESSANTES EM HOMEOPATIA
META-ANÁLISES DE ESTUDOS CLÍNICOS EM HOMEOPATIA

1) K. Linde, N. Clausius, G. Ramirez, et al. Are the clinical effects of Homeopathy Placebo Effects? A Meta-analysis of Placebo-Controlled Trials. Lancet, September 20, 1997, 350:834-843

Os autores avaliam 186 estudos clínicos homeopáticos, 89 dos quais preencheram os critérios pré-definidos para a meta-análise. A maioria dos estudos comparam a eficácia do tratamento homeopático em relação ao placebo. Os resultados mostraram que pacientes recebendo medicamentos homeopáticos obtêm 2,45 vezes mais efeitos positivos que o placebo.

[Na verdade os resultados mencionados acima só surgiam quando trabalhos de baixa qualidade eram incluídos na análise. E, mesmo nessas condições, a conclusão dos autores foi "No entanto, encontramos evidência insuficiente de que que a homeopatia seja claramente eficaz no tratamento de qualquer condição clínica" (Linde et al 1997 p. 834). Os autores principais também afirmaram que "… a evidência não é decisiva, e ainda não foi independentemente replicada" (Linde & Jonas 1998 p. 368).]

2) J. Kleijnen, P. Knipschild, G Ter Riet. Clinical Trials of Homeopathy. British Medical Journal, February 9, 1991, 302:316-323

Esta é a meta-análise de pesquisa clínica mais amplamente citada desde 1991. Revisa 107 estudos sobre medicações homeopáticas, 81 dos quais (77%) mostraram efeitos positivos. Dos 22 melhores estudos, 15 mostraram eficácia da homeopatia. Os pesquisadores concluem: "A evidência apresentada nesta revisão provavelmente seria suficiente para estabelecer a homeopatia como um tratamento regular para certas indicações clínicas".

[Similarmente, é interessante que Kleijnen et al. mencionaram também, mas é omitido acima, que "até o momento a evidência é positiva mas insuficiente para extrair-se conclusões definitivas, devido à baixa qualidade da maior parte dos estudos", e que admitiram que o viés de publicação possuía um efeito que não se podia avaliar. A magnitude desse efeito e a qualidade dos estudos que forneceram resultados favoráveis pode ser vista pelo fato de que o trabalho de reumatologia considerado como o de melhor qualidade por Kleijnen et al. foi posteriormente reavaliado, chegando-se à conclusão de que, ao contrário do que foi considerado por eles, a homeopatia não tinha nesse trabalho efeito superior ao placebo (Walls 1991).]

A seguir, o congresso cita quatro estudos isolados nos quais a homeopatia apresentou efeitos superiores ao placebo (Reilly et al 1988, Jacobs et al 1994,. Reilly et al 1994, Shealy 1998). O problema é a falta de reprodutibilidade desses estudos. Mesmo na meta-análise mais recente citada pelo congresso é afirmado que jamais um estudo homeopático foi replicado por um grupo independente (Linde et al 1997 p. 839, Linde & Jonas 1998 p 368).

Ao mesmo tempo, não é dificil achar na literatura estudos em que a homeopatia não apresenta efeito superior ao placebo, por exemplo, nos últimos 10 anos:

Fingerhut 1990
Estudo duplo cego com 600 pacientes, nenhum efeito foi detectado com tratamento homeopático na restauração do trânsito intestinal após cirurgia do abdomen.

Hill & Doyon, 1990
Uma revisão de 40 estudos duplo-cego envolvendo a homeopatia; "os resultados não forneceram evidência aceitável de que tratamentos homeopáticos são efetivos"

Walach 1993
Quarenta e sete voluntários foram divididos em dois grupos, um dos quais recebeu placebo, e o outro Belladona C30. Não houve uma clara distinção entre os sintomas observados nos dois grupos.

De Lange et al. 1994
"Remédios homeopáticos individualizados parecem acrescentar pouco ao aconselhamento cuidadoso de crianças com infecções recorrentes do aparelho respiratório superior".

Lokken et al. 1995
"Nenhuma evidência da eficácia do tratamento homeopático no tratamento da dor e outros eventos inflamatórios foi encontrada".

Kainz et al. 1996
Duplo-cego para o tratamento de verrugas em crianças. "Não houve diferença aparente ente os efeitos da terapia homeopática e do placebo".

Aulas 1996
"Não há evidência de que a homeopatia seja mais eficaz do que um placebo".

Kurz 1992
Revisão sistemática da literatura referente à homeopatia pediátrica. "…a revisão revelou – na melhor das hipóteses – um efeito placebo para a homeopatia".

Vickers et al. 1997
O estudo não detectou benefício resultante do tratamento homeopático de dores musculares em corredores de longa distância.

Barnes et al. 1997
Em uma meta-análise não foi encontrado efeito de remédios homeopáticos para o tratamento da condição de íleo pós-operatório.

Friese et al 1997
O estudo não detectou benefício resultante do tratamento homeopático de vegetação adenóide.

Hart et al 1997
O estudo não detectou benefício resultante do tratamento homeopático para pacientes que sofreram histerectomia radical.

Whitmarsh et al 1997
Duplo-cego para o tratamento de dores-de-cabeça. O estudo não detectou benefício resultante do tratamento homeopático.

Wallach et al. 1997
Outro duplo-cego para o tratamento de dores-de-cabeça. O estudo não detectou benefício resultante do tratamento homeopático.

Ernst & Pittler. 1998
Revisão sistemática da literatura. "A afirmação de que a arnica homeopática é mais eficaz que um efeito placebo não é apoiada por ensaios clínicos rigorosos".

Vickers et al. 1998
Homeopatia comparada a placebo no tratamento da dor muscular em corredores de longa distância. Nenhuma diferença foi encontrada.

Simpson et al. 1998
Estudo que comparou o tratamento do tinitus auditivo em dois grupos, placebo x tratamento homeopático. "… conclui-se que o tratamento homeopático não pôde ser demostrado mais efetivo que o placebo usado na comparação"

Harrison et al. 1999
Não foi detectada diferença estatisticamente significante entre crianças tratadas por homeopatia x tratamento convencional para problemas de audição na Inglaterra.

Ernst 1999
"Conclui-se que os resultados disponíveis até o momento não sugerem que a homeopatia seja efetiva na profilaxia da dor-de-cabeça ou da enxaqueca mais do que placebos".

Como de hábito, o estudo de qualidade metodológica inferior era o mais sugestivo da eficácia da homeopatia.

Ainda em sua seção de "artigos cientícos", o congresso apresenta algumas remissões recomendadas. Eis uma oportunidade única, a de se poder verificar o que de melhor existe em pesquisa homeopática, na opinião de seus próprios praticantes. Infelizmente, o que se observa é que um conjunto de afirmações estapafúrdias podem aí ser encontradas, por exemplo:

A condenação, freqüente entre homeopatas, de qualquer tipo de vacinação (veja-se por exemplo Ernst 1997, Bedford & Elliman 2000).

Na página do congresso, aparentemente isto é considerado "boa ciência", pois sob o cabeçalho "artigos científicos" existe uma remissão para o texto homeopático "Vaccination: a sacrament of modern medicine";

A prática de alguns homeopatas de proibir que seus pacientes ingiram "antídotos". Antídotos seriam substâncias que anulariam o efeito dos remédios homeopáticos por … terem cheiro forte (!) Exemplos seriam o café, a hortelã, alho, etc. etc. (para uma discussão amistosa do tópico, veja-se a remissão também listada sob "artigos científicos" na página do congresso);

A "homeopatia pediátrica" em que remédios homeopáticos são receitados a partir de "tipos" de crianças tais como ‘"a criança do tipo CAPSICUM típica é gorda, bastante preguiçosa e um tanto obstinada, muito certamente desajeitada em seus movimentos … tendem a ser muito esquecidas … São sempre nervosas, facilmente ofendidas, facilmente irritáveis."

A afirmação de que a "potencialização homeopática" de uma substância pode ser enviada pelo correio eletrônico.

Esta é a continuação das "pesquisas" de Benveniste, que se notabilizou por publicar um artigo na conceituada Nature afirmando que a água dinamizada teria uma mémoria das substâncias com que entrasse em contato.

A verificação do experimento de Benveniste por uma equipe da Nature é muito instrutiva. Basicamente, o que se descobriu é que:

Pode um campo do conhecimento onde tais afirmações passam por pesquisa ser encarado com seriedade? Mas, resta ainda a questão, por quê alguns poucos trabalhos homeopáticos dão resultados positivos? A resposta pode ser encontrada com a ajuda de vários trabalhos que estudaram a relação entre a qualidade dos estudos homeopáticos e os resultados encontrados, por exemplo Linde et al 1999 e Pittler et al 2000.

A mensagem que consistentemente emerge é que os trabalhos com resultados positivos são aqueles de pior qualidade metodológica, em que o aspecto duplo-cego não pode ser garantido, ou que foram publicados em revistas menos rigorosas, por exemplo de "medicina complementar". (Kleijen et al 1991, Wall 1991, Jarvis 1994, Langman 1997, Kahn 1998, Ernst 1999, Linde et al 1999). Revistas de "medicina complementar", por sua vez, impõe um altíssimo viés de publicação na área, uma vez que, nestas, muito mais estudos positivos são publicados, em comparação aos negativos (Ernst & Pittler 1997, Pittler et al. 2000).

Certamente também, este viés é mais intenso do que o que acontece em outros campos da medicina, devido à característica de culto que a homeopatia assume (basta ver a freqüência com que o nome "Hahnemann" aparece em trabalhos homeopáticos, ou até mesmo o uso do termo "convencional" para designar revistas científicas feito na própria página do congresso).

Outros motivos também podem ser apontados:

Finalmente, também é muito relevante a pergunta que, ironicamente, é feita na própria página do congresso:

Até que ponto tem validade um estudo clínico controlado cuja pesquisa é patrocinada pelos que querem vender o que está sendo pesquisado?

Ironicamente, este é um sério problema para os estudos que apresentam resultados positivos da homeopatia, por exemplo os trabalhos de Benveniste, financiados pelas multinacionais francesas de produtos homeopáticos (Madox et al 1989).

Resumindo, não se trata de que a homeopatia seja "discriminada". A verdade é que suas premissas foram examinadas, testadas, e mostradas falsas. Faltaria à homeopatia uma teoria consistente com experimentos, que explicasse como substâncias com diluição tão grande podem reter atividade farmacológica; e estudos controlados de alta qualidade que mostrassem ser essa atividade benéfica. Após 250 anos, já é tempo de seguir adiante.

Referências:

1. Aulas J. Homeopathy update. Préscrire International 1996 15(155) 674-84
2. Barnes J et al. Homeopathy for post-operative ileus? Journal of Clinical Gastroentherology 1997 25(4) 628-33.
3. Bedford H, Elliman D. Concerns about immunization. BMJ 320 January 2000 240-3.
4. De Lange et al. Effect of homeopathic medicines on daily burden of symptoms in children with recurrent upper respiratory tract infections. BMJ 1994 19;309(6965) 1329-32.
5. Ernst E. The attitude against immunization within some branches of complementary medicine. Eur J Paediatrics 1997 156 513-15 [pdf]
6. Ernst E, Pittler M. Alternative Therapy Bias. Nature 1997 365 480.
7. Ernst E. Homeoathic prophylaxis of headaches and migrane? A systematic review. J Pain Symptom Management 1999 18(5) 353-7.
8. Ernst E, MH Pittler. Efficacy of homeopathic arnica: a systematic review of placebo-controlled clinical trials. Arch Surg 1998 13(11) 1187-90.
9. Fingerhut A. Homeopathy for the restoration of transit after abdominal surgery. Chirurgie 1990 116 404-8
10. Friese K, Feucher U, Moeller H. Homeopathic management of adenoid vegetations, results of a prospective, randomized double-blind study. HNO 1997 45 618-24.
11. Harrison H et al. A randomized comparison of homoepathic and standard care for the treatment of glue ear in children. Complement Ther Med 1999 7(3) 132-5.
12. Hart O et al. Double-blind, placebo controlled randomized clinical trial of homoeopathic arnica C30 for pain and infection after total abdominal hysterectomy. J Royal Soc Med 1997 90(2) 73-8.
13. Hill C, Doyon F. Review of randomized trials of homeopathy. Rev Epidemiologie et Santé Publique 1990 38 139-47.
14. Jacobs J et al. Treatment of acute childhood diarrhea with homeopathic medicine: a randomized clinical trial in Nicaragua. Pediatrics, May 1994, 93,5:719-25.
15. Jarvis W. Homeopathy; a position statement by the national coucil against health fraud. Skeptic 3(1) 1994 50-7.
16. Kahn MF. Meta-analysis of homoeopathy trials. Lancet 1998 351 365. [pdf]
17. Kainz JT et al. Homeopathic versus placebo therapy of children with warts on the hands: a randomized, double-blind clinical trial. Dermatology 1996 193(4) 318-20.
18. Kerr H & Yarborough G. Pancreatitis following ingestion of a homeopathic preparation. New England J Medicine 1986 314(25) 1642-3 (citado em Jarvis 1994).
19. Kurz R. Clinical medicine versus homeopathy. Paediatric Pathology 1992 27(2) 37-41.
20. Langman MJS. Homeopathy trials: reason for good ones but are they warranted? Lancet 1997 350(20) 825. [pdf]
21. Lelorier L et al. Discrepancies between meta-analyses and subsequent large randomized, controlled trials. New England Journal of Medicine 1997 337 536-42.
22. Linde K et al. Impact of study quality on outcome in placebo-controlled trials of homeopathy. Journal of Clinical Epidemiology 1999 52(7) 631-6.
23. Linde K, Jonas WB. Meta-analysis of homoeopathy trials. Lancet 1998 351 368.
24. Lokken et al. Effect of homeopathy on pain and other events after acute trauma: placebo controlled trial with bilateral oral surgery. BMJ 1995 310(6992) 1439-42. [Abstract]
25. Madox J, Randi J, Stewart WW. High dillution experiments a delusion. Nature 334 28 1988 287-291 (c/resposta de Benveniste).
26. Morice Lancet 1986 April 12 (citado em Jarvis 1994).
27. New Scientist. Memory man hits out. New Scientist 27 September 1997.
28. Pittler MH et al. Location bias in controlled clinical trials of complementary/alternative therapies. Journal of Clinical Epidemiology 2000 53(5) 485-9.
29. Reilly D. et al. Is homeopathy a placebo response? Controlled trial of homeopathic potency with pollen in hayfever as model. Lancet, October 18, 1986, 881-86.
30. Reilly D et al. Is evidence for homeopathy reproducible? Lancet, December 10, 1994, 344:1601-6.
31. Shealy C et al. Osteoarthritic pain: a comparison of homeopathy and acetoaminophen. American Journal of Pain Manegement, 1998; 8:89-91.
32. Simpson JJ et al. Use of homeopathy in the treatment of tinnitus. Br J Audiol 1998 32(4) 227-33
33. Vickers AJ et al. Homeopathic Arnica 30x is ineffective for muscle soreness after long-distance running: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Clin J Pain 1998 14(3) 227-31.
34. Vickers AJ et al. Homeopathy fo delayed onset of muscle soreness: a randomised double blind placebo controlled trial. Br J Sports Med 1997 31(4) 304-7
35. Wall PD Trials of homoeopathy (letter) BMJ 1991 302(2) 529.
36. Walach H. Does a highly diluted homeopathic drug act as a placebo in health volunteers? J Psychosom Res 1993 37(8) 851-60.
37. Wallach H et al. Classical homeopathic treatment of chronic headaches. Cephalgia 1997 17 119-26.
38. Whitmarsh T, Coleston Shields D, Steiner T. Double-blind randomized placebo controlled study of homeopathic treatment of chronic headaches. Cephalgia 1997 17 600-4.

__________________________

Renan Moritz Varnier Rodrigues de Almeida, Ph.D., conselheiro do Quackwatch em português, é Professor de Bioestatística e Metodologia da Ciência do Programa de Engenharia Biomédica -- COPPE/Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Quackwatch em português ||| Homeopatia: O Maior de Todos os Embustes

Artigo publicado em 12 de dezembro de 2000.

1