Quackwatch em português

MEDICINA E ESPIRITUALIDADE
Retrocesso de dois mil anos

Paulo Bento Bandarra, MD

A reserva de mercado para o jornalismo na imprensa, como ocorre em outras áreas de outras profissões, deixa o leitor algumas vezes desprotegido. Principalmente em assuntos científicos, com que muitas vezes o jornalista mais simpatiza do que realmente tem base sólida para bem informar e criticar. Por exemplo, preocupante, para a seriedade da medicina, o crescimento da pré-hipocrática associação da prática clínica com a religião. Grande mérito histórico de Hipócrates, que por isso serve de modelo médico até hoje.

No entanto, presenciamos um retrocesso na realização, na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, do 1º Simpósio de Medicina e Espiritualidade, organizado pela Associação Médico-Espírita de São Paulo, conforme publicação da revista IstoÉ, edição 1.576 (28/5/03), na seção sobre saúde.

Estão estes profissionais, mais uma vez, tentando repetir os erros do passado já tão refutados pela ciência e pela história. Além, é claro, do desconforto que causa a pacientes e colegas de outras crenças esta prática e este proselitismo anticientíficos. A medicina dos maus espíritos, maus-olhados, das obsessões e dos endemoninhados.

Imaginemos os médicos afastando-se da ciência como parâmetro ético e promovendo a formação de associações de médicos católicos, judeus, teosóficos, islâmicos, da Igreja Universal, seguidores do reverendo Moon, umbandistas, satanistas, bruxomaníacos, adoradores de Isis e outros que tais, na defesa de tratamentos segundos suas "verdades", tão válidas e críveis como esta que se nos propõem agora. Além de a clara rivalidade fratricida das religiões ser transferida para o seio da medicina, o abandono da lógica do conhecimento científico pela crença levaria ao retorno do obscurantismo no ensino, na pesquisa e no trato dos pacientes. Sem contar que no próprio espiritismo há rivalidades, vaidades e lutas entre as várias correntes, entre os seguidores de Ismael e os de Roustang. O escritor Salmon Rushdie já nos alerta sobre a inconveniência da condução dos homens pela religião, da qual é um exemplo vívido. Quanto mais em ciência.

Não se trata, como na visão do jornalismo, de um avanço, mas de uma volta ao pensamento mágico. Já no fim do século 18 o médico Franz Anton Mesmer abandonara a medicina em prol da idéia de "passes" pelo "magnetismo animal", estabelecendo-se na França e criando uma rica clínica desta prática. Em pesquisa da Academia Francesa de Ciências, formada por comissão de distintos doutores e acadêmicos, incluído Jean-Sylvain Bailly (1736-1793), Antoine-Laurent Lavoisier (1743-1794), Joseph-Ignace Guillotine (1738-1814), Benjamin Franklin (1706-1790), chegou-se à conclusão de que não havia cura alguma – além da auto-sugestão dos pacientes (hoje, o chamado efeito placebo). Mesmer, então, 1785, abandonou Paris.

Em 1835, famosos pesquisadores ligados à Faculdade de Medicina de Paris, como Puységur, d`Eslon, Deleuze, Du Potet e Millet, voltam à carga, dedicando tempo ao sonambulismo (adivinhação) e outros fenômenos provocados pela ação do agente magnético de Mesmer. Novamente, deram em nada as pesquisas, sobrando apenas a parte religiosa da crença.

A Kardec o que é de Kardec

Em 1840, o Dr. Benoit Mure trouxe ao Brasil a homeopatia, e estas práticas de mesmerismo e passes mediúnicos, aprendidas com Hahnemann em Paris, viriam a ser o esteio da prática do espiritismo no país nestes 160 anos. Mas sua "escola vitalista" em Montpellier fechou, assim como diversas escolas e hospitais homeopatas através do mundo entraram em colapso no início do século 20.

Quem lê a Revista Espírita editada por Allan Kardec vê descrições da vida em Marte, Vênus, Júpiter, explicações científicas que caem por terra com a evolução. Todas as informações trazidas pelos espíritos são comprovadamente falsas. Profetiza-se o fim derradeiro da medicina científica na Revista Espírita de 1863, pág. 258, para o nascimento da verdadeira medicina antes do fim do século 19 – a espiritual. Disso sobraram obras doutrinárias, como o Livro dos espíritos e o Evangelho segundo o espiritismo – apenas obras de ficção religiosa e moral, inverificáveis – como todas as boas obras religiosas.

Tivemos Chico Xavier e Hercílio Maes no século 20, que profetizaram a vida no planeta Marte, a vida em Atlântida, praticaram homeopatia, escreveram livros incríveis de imaginação, nada além de conhecimento publicado previamente.

Nenhum remédio novo foi revelado pelos espíritos. André Luiz não nos revelou qualquer fórmula medicamentosa para aliviar o sofrimento na psicografia talentosa de Chico: só páginas e páginas de mundos delirantes e improváveis que tanto deleitam o leitor sectário. Afinal, o improvável Dr. Fritz não voltou para operar, desesperadamente, pterígios – com qualquer um que quisesse incorporá-lo? André Luiz poderia ter-nos dado uma formulazinha. Nenhum centro arqueológico revelou-nos estas almas lá viventes ou morrentes em sessões espíritas, só vidas inexistentes em planetas, como o relato da mãe de Chico em 1935. Dá para se acreditar agora?

Esperemos que o Conselho Federal de Medicina e a universidade brasileira retomem o rumo certo, para que não percam a visão responsável da prática médica e façam uso de recursos públicos com inteligência. Que a imprensa tenha mais senso crítico ao divulgar "novos avanços". Principalmente quando não são novos.

Não voltemos ao tempo das roupas pretas e capuzes de bico de pássaro. Dai a Hipócrates o que é de Hipócrates, e a Kardec o que é de Kardec.

__________________________________________

Paulo Bento Bandarra é médico, representante do Movimento Medicina Responsável. Artigo publicado originalmente no Observatório da Imprensa.

Quackwatch em português

Artigo publicado em 30 de dezembro de 2003.

1