Quackwatch em português

Um Exame Detalhado da Naturopatia

Stephen Barrett, M.D.

Naturopatia [naturologia], algumas vezes referida como "medicina natural", é uma abordagem largamente pseudocientífica dita "auxiliar à natureza" [1], "apoiar a capacidade inata própria do corpo de alcançar a saúde perfeita" [2], e "facilitar os mecanismos de cura inerentes do corpo" [3]. Os naturopatas asseguram que as doenças são esforços do corpo para se purificar, e que a cura vem como uma conseqüência da intensificação da "força vital" do paciente. Alegam estimular os processos naturais de cura do corpo livrando-se das sobras e "toxinas." À primeira vista, essa abordagem pode parecer sensata. Entretanto, um exame mais detalhado mostrará que a filosofia naturopata é simplista e que suas práticas estão envolvidas com charlatanismo. 

A noção de uma "força vital" ou "força da vida" -- uma força não material que transcende as leis da química e da física -- originou-se em épocas antigas. Historiadores a chamam de doutrina do vitalismo. Nenhuma evidência científica apóia esta doutrina, mas um grande corpo de conhecimento, incluindo a totalidade da disciplina da química orgânica, refuta suas idéias. Praticantes vitalistas sustentam que as doenças deveriam ser tratadas pela "estimulação da habilidade do corpo para se curar" ao invés de "tratar sintomas". Os homeopatas, por exemplo, alegam que as doenças são devido a um distúrbio da "força vital" do corpo, o qual eles podem corrigir com remédios especiais, ao passo que muitos acupunturistas alegam que as doenças são devido a desequilíbrios no fluxo da "energia da vida" (chi ou Qi), o qual eles podem equilibrar espetando agulhas na pele. Muitos quiropráticos alegam auxiliar a "Inteligência Inata" do corpo ajustando a coluna dos pacientes. Os naturopatas falam da "Vis Medicatrix Naturae". Clínicos ayurvédicos se referem ao "prana". E assim vai. As "energias" postuladas pelos vitalistas não podem ser mensuradas pelos métodos científicos. 

De acordo com um relatório abrangente apresentado ao Congresso dos Estados Unidos em 1970 pela agora extinta National Association of Naturopathic Physicians (NANP):

A naturopatia . . . é a técnica de tratamento das doenças humanas que enfatiza o auxílio à natureza. Pode adotar pequenas cirurgias e o uso de atividades, forças, processos e produtos da natureza, introduzindo-os no corpo humano por qualquer meio que traga resultados positivos à saúde.

A naturopatia é baseada na tendência do corpo em manter um equilíbrio e de curar-se. O propósito da medicina naturopata é promover esse processo usando remédios naturais . . . distintos da medicina "ortodoxa" (alopatia e osteopatia), a qual busca combater doenças usando remédios que são escolhidos para destruir o agente causal ou que produza efeitos diferentes daqueles produzidos pela doença tratada. . . .

A naturopatia dá prioridade as seguintes condições como base para enfermidades: (1) diminuição da vitalidade; (2) composição anormal do sangue e da linfa; (3) desajustes dos músculos, ligamentos, ossos e distúrbios neurotrópicos; (4) acumulação de resíduos e venenos no sistema; (5) germens, bactérias e parasitas que invadem o corpo e florescem por causa de estados tóxicos que podem oferecer condições perfeitas para seu florescimento; e (6) consideração de influências hereditárias, e (7) distúrbios psicológicos. 

Ao aplicar os princípios naturopatas de cura, os profissionais podem administrar um ou mais aparelhos ou substâncias fisiológicas, mecânicas, nutricionais, manuais, fitoterápicas ou animais específicas. O objetivo final do profissional é remover obstáculos ao funcionamento normal do corpo, aplicando forças naturais para restaurar suas habilidades de recuperação. Somente aquelas preparações e doses que agem em harmonia com a economia do corpo são utilizadas, para alterar funções incorretas, purificar o corpo dos resíduos catabólicos e promover seus processos metabólicos. [1]

A American Association of Naturopathic Physicians (AANP) declara que "medicina naturopata tem seu próprio e único corpo de conhecimento, desenvolvido e refinando por séculos" e é "eficaz no tratamento de todos os problemas de saúde, sejam crônicos ou agudos" [4]. De acordo com um boletim de 1989 da AANP:

A principal diferença [entre a medicina naturopática e a convencional] está em sua abordagem filosófica. Médicos naturopatas tratam pacientes restaurando a saúde integral ao invés de suprimir alguns sintomas chaves. Médicos naturopatas são mais preocupados em encontrar a causa base de uma condição e aplicar tratamentos que trabalham em aliança com os mecanismos naturais de cura do corpo ao invés de contra eles. Os tratamentos naturopáticos resultam menos freqüentemente em efeitos colaterais adversos ou em condições crônicas que inevitavelmente surgem quando a causa da doença é deixada sem tratamento" [5].

Naturopatas oferecem tratamentos em seus consultórios e em spas onde os pacientes podem ficar por várias semanas. Suas ofertas incluem jejuns, dietas com "alimentos naturais", vitaminas, ervas, minerais de tecidos, remédios homeopáticos, sais celulares, manipulações, massagens, exercícios, enemas colônicos, acupuntura, medicina chinesa, parto natural, pequenas cirurgias e aplicações de água, calor, frio, ar, luz do sol e eletricidade. Radiação pode ser usada para diagnóstico, mas não para tratamento. Muitos destes métodos são ditos para "desintoxicar" o corpo. 

O Que Há de Errado com o Quadro Acima?

Pesquisas científicas têm identificado fatores mensuráveis, causais e métodos específicos de prevenção e (ou) tratamento de centenas de problemas de saúde. Naturopatas têm feito pouco mais do que criar generalidades superficiais. As teorias acima são simplistas e (ou) colidem com conhecimento baseado na ciência da fisiologia e patologia do corpo. Por exemplo:

Naturopatas asseguram que seus métodos "naturais", quando usados de maneira apropriada, raramente têm efeitos adversos porque não interferem com as habilidades inerentes de cura do indivíduo. Esta alegação é absurda. Qualquer medicamento (droga ou erva) potente o suficiente para produzir um efeito terapêutico é potente o suficiente para causar efeitos adversos. Medicamentos não deveriam ser usados (e não mereceriam a aprovação do FDA) a menos que os prováveis benefícios sejam significativamente maiores que os prováveis riscos. Além disso, drogas usadas medicinalmente raramente "interferem com os processos de cura". A alegação de que a assistência médica científica "meramente elimina ou suprime sintomas" é tanto absurda como perniciosa. 

A maioria das coisas que os naturopatas fazem não foram cientificamente confirmadas; e algumas -- como a homeopatia -- são claramente inúteis. Em muitos casos, os naturopatas combinam conselhos dietéticos sensatos (baseado em estratégias comprovadas medicinalmente) com recomendações absurdas de produtos. 

Um Breve Histórico

A naturopatia dos dias modernos pode ser traçada aos conceitos de Sebastian Kneipp (1821­1897), Benedict Lust (1872­1945), Henry Lindlahr (1853­1925), Bernarr Macfadden (1868­1955) e John H. Tilden, M.D. (1851-1940). Padre Kneipp, um sacerdote alemão, abriu um centro de "cura pela água" após se convencer de que ele e um seguidor tinham se curado da tuberculose por banharem-se no rio Danúbio. Kneipp também desenvolveu métodos com ervas usando plantas inteiras. Lust, também alemão, foi tratado por Kneipp e em 1892 foi encarregado de estabelecer as práticas de Kneipp nos Estados Unidos. Em 1895, ele abriu o Kneipp Water-Cure Institute na cidade de Nova York e começou a formar a Kneipp Societies cujos membros têm usado os métodos de Kneipp ou outras "terapias sem drogas". Subseqüentemente, ele adquiriu títulos em osteopatia, quiropraxia, medicina homeopática e medicina eclética [8].

Em 1901, Lust organizou uma convenção nacional e liderou um comitê que endossou o uso de massagem, ervas, homeopatia, manipulação da coluna vertebral e vários tipos de tratamentos ocultos. Em 1902, ele adquiriu os direitos para o termo "naturopatia" de John H. Scheel, outro discípulo de Kneipp, que o cunhou em 1895. Naquele mesmo ano, ele começou a se referir como um naturopata, abriu o American Institute of Naturopathy e substituiu as Kneipp Societies por uma organização naturopática nacional. Lindlahr posteriormente sistematizou a naturopatia e abriu um sanatório e uma escola em um subúrbio de Chicago. Macfadden popularizou exercícios e jejuns. Tilden contribuiu com noções sobre "auto-intoxicação" (que se diz ser causada por matéria fecal que permanece muito tempo no intestino) e "toxemia" (alegada como sendo "a causa básica de todas as doenças"). [9]

As grandiosas alegações da naturopatia atraíram a pena afiada de Morris Fishbein, M.D., que foi editor do Journal of the American Medical Association  e liderou a campanha anti-charlatanismo da AMA por várias décadas. Ele apontou:

Enquanto a maioria dos cultos adotam uma concepção única como a causa e cura das doenças, a naturopatia adota todas as coisas da natureza. . . . 

Obviamente os verdadeiros naturopatas foram certos curandeiros como Padre Kneipp . . . e outros que defendiam viver de um modo natural e curas pelo uso da luz do sol, banhos, ar fresco e água fria, mas não tem como ganhar muito dinheiro com esses métodos. Assim a naturopatia moderna adota toda forma de cura que ofereça oportunidade de exploração. [10]

As práticas que Fishbein desmascarou incluem:

A maioria desses métodos desapareceram junto com seus criadores, mas alguns (ou suas ramificações) ainda hoje são usados. 

O número total de praticantes da naturopatia nos Estados Unidos é desconhecido mas inclui quiropráticos e acupunturistas que praticam a naturopatia. A AANP foi fundada em 1985 e está intimamente ligada às escolas naturopáticas de 4 anos. É dito que a categoria de membro é limitada a indivíduos que são elegíveis para licenciamento em estados que publicam licenças. Seu diretório on-line contêm cerca de 500 nomes. A American Naturopathic Medical Association (ANMA), fundada em 1981, alega representar cerca de 2000 membros no mundo todo. Embora alguns tenham credenciais reconhecidas em outras disciplinas da saúde, outros simplesmente têm um grau de "ND" obtido através de uma escola por correspondência não reconhecida. A Homeopathic Academy of Naturopathic Physicians (HANP), a qual exige um grau profissional reconhecido e treinamento homeopático adicional, lista cerca de 50 membros nos Estados Unidos e Canadá. 

A AANP publica o Journal of Naturopathic Medicine, que foi publicado seis vezes entre 1990 e 1996. As edições têm de 80 a 100 páginas. A terceira edição é dedicada ao "Manejo Não Padrão do HIV/ARC/AIDS". A quinta, que atacou a imunização, contêm trabalhos sugerindo que as vacinas podem ser um fator na causa do câncer e que a profilaxia homeopática usando nosodes seria eficaz e mais segura que as vacinas padrão. (Nosodes são produtos homeopáticos feitos de órgãos ou tecidos patológicos; agentes causais tais como bactérias, fungos, ovos, parasitas, partículas virais e fungos; produtos de doenças; ou excreções.) A sexta edição promove o uso de produtos "naturais" para o câncer e contêm um artigo absurdo alegando que medir a resistência elétrica da pele pode ser uma maneira útil de diagnosticar os estágios iniciais do câncer e da AIDS.

Educação

Um estudo de 1927 da AMA listou 12 escolas naturopatas com menos de 200 estudantes entre elas [11]. Durante a década de 1920 e 1930, cerca da metade dos estados aprovaram leis sob as quais os naturopatas e (ou) "curandeiros sem drogas" podiam praticar. Entretanto, conforme a medicina moderna se desenvolveu, muitas dessas leis foram revogadas e todas exceto algumas escolas por correspondência cessaram as operações. O grau de doutor de naturopatia (N.D.) ainda estava disponível em várias escolas quiropráticas, mas por volta de 1957, a última destas escolas parou de emiti-lo. O National College of Naturopathic Medicine (NCNM) foi fundado em 1956 em Portland, Oregon, mas, até meados da década de 1970, teve pouquíssimos estudantes. De 1960 até 1968, o número médio de matrículas foi de oito alunos e o número total de graduados foi de 16 [1].

Hoje, dentro dos Estados Unidos, uma credencial de "doutor de naturopatia " (N.D.) ou "doutor de medicina naturopática" (N.M.D.) está disponível em quatro escolas naturopáticas de tempo-integral e ao menos oito escolas por correspondência não reconhecidas, das quais sete mantêm sites [A, B, C, D, E, F, G]. (Uma escola por correspondência, a Progressive Universal Life Church, oferece um "Ph.D. em Naturopatia" por 250 dólares além de "experiência de vida sem nenhum estágio de curso). Outra escola não reconhecida oferece um diploma de "Profissional Naturopático" para capacitar indivíduos que completaram um programa de 15 meses de estudos domiciliares além de uma dezena de seminários nos fins de semanas. O treinamento nas escolas de tempo integral seguem um padrão similar ao das escolas quiropráticas: dois anos de disciplinas em ciência básica e dois anos de estágio clínico. Três anos de disciplinas pré-profissionais em um "college" são exigidos para admissão.

A principal escola de naturopatia, Bastyr University, em Seattle, Washington, foi fundada em 1978. Além de seu programa em N.D., a Bastyr oferece um programa de bacharel (B.S.) em Ciências da Saúde Natural com especializações em nutrição e medicina oriental; um programa de B.S. em psicologia; programas de B.S. e M.A. em ciências do comportamento aplicado; programas de M.S. em nutrição e acupuntura/medicina oriental; e um certificado de parteiro. A Bastyr também oferece, a proprietários de lojas de alimentos naturais e seus empregados, programas de estudos domiciliares que promovem abordagens "naturais" para uma série de doenças. Aos estudantes do programa de naturopatia é exigido cursar três disciplinas em homeopatia e podem se candidatar para cursar mais três. A Southwest College of Naturopathic Medicine and Health Sciences em Scottsdale, Arizona, foi fundada em 1922. A University of Bridgeport College of Natural Medicine em Bridgeport, Connecticut, iniciou as aulas em 1997. Escolas de naturopatia recebem muito de seus apoio financeiro de companhias que comercializam suplementos alimentares, produtos homeopáticos e (ou) remédios de ervas. 

Reconhecimento

Em 1987, o U.S. Secretary of Education aprovou o Council on Naturopathic Medical Education (CNME) como uma agência de credenciamento para escolas de tempo-integral. Como ocorre com as escolas de acupuntura e quiroprática, este reconhecimento não é baseado na validade científica do que é ensinado mas em certos fatores como arquivos, espólios físicos, status financeiro, composição do corpo do governo, características de catálogo, política de não discriminação e sistemas de auto-avaliação. A NCNM, a Bastyr e a Southwest foram reconhecidas. 

Em 1999, o staff do Departamento de Educação dos EUA e o Comitê Consultivo Nacional em Qualidade e Integridade Institucional (NACIQI) pediram ao Secretário de Educação dos EUA Richard W. Riley que negasse o pedido da CNME para renovação do reconhecimento. A recomendação foi baseada em evidência de que a CNME não respondeu apropriadamente as violações de seus padrões na Southwest College. O staff relatou [12] e testemunhou em um encontro da NACIQI [13] demonstrando que em 1997 e 1998, a escola passou por um motim administrativo que quase levou ao seu fechamento. Diversos funcionários se demitiram ou foram abruptamente demitidos e aulas foram suspensas por duas semanas, e contas bancárias da escola foram temporariamente congeladas após o diretor financeiro da escola ser despedido. A CNME testemunhou na audiência que tinha acompanhado a situação de perto e recomendou aos funcionários da escola que corrigissem os problemas. Entretanto, o staff do Departamento de Educação e a maioria dos membros da NACIQI concluíram que a CNME falhou por não publicar uma ordem em tempo para mostrar as causas do porquê a Southwest não teria sua candidatura para reconhecimento encerrada [13]. 

Em janeiro de 2001, Riley concordou que a aprovação da CNME não deveria ser renovada, o que significa que naturopatas nos Estados Unidos não têm mais uma agência nacional de credenciamento reconhecida pela Secretária de Educação dos Estados Unidos [14]. Curiosamente, nenhum dos sites das escolas naturopáticas menciona que a CNME perdeu seu reconhecimento. Três das escolas permanecem reconhecidas e a quarto é uma candidata para reconhecimento por agências de credenciamento regionais reconhecidas que não são relacionadas à área da saúde. Embora a decisão de Riley possa ter tornado mais difícil a promoção de licenciamento, ela não tem recebido quase nenhuma publicidade. Não pode ser feita mais apelação da decisão de Riley, mas é provável que a CNME faça uma nova apelação para credenciamento no futuro. 

Status Legal 

Os naturopatas são licenciados nos EUA como profissionais licenciados em onze estados (Alasca, Arizona, Connecticut, Havaí, Maine, Montana, New Hampshire, Oregon, Utah, Vermont e Washington) e no Distrito de Columbia, e podem legalmente praticar em alguns outros [14]. O AANP e as escolas de 4 anos formaram a Alliance for the State Licensing of Naturopathic Physicians para pressionar o licenciamento nos estados restantes. Eles asseguram que o licenciamento é necessário para proteger o público de profissionais não qualificados. Entretanto, os comitês existentes de licenciamento naturopático pouco ou nada têm feito pra proteger o público do charlatanismo disseminado na naturopatia. 

Uma vez que as leis propostas estabeleceriam exigências educacionais que muitos dos membros da ANMA não poderiam satisfazer, a ANMA tem se oposto vigorosamente aos esforços de licenciamento. O National Council Against Health Fraud tem assinalado: 

A diferença entre os naturopatas mais e menos educados é . . . como comparar pajés mais e menos educados.  Na verdade pode-se argumentar que naturopatas com menor nível de escolaridade são mais seguros porque podem ter uma mala de truques menor e, como não se consideram "médicos de atenção primária" são mais inclinados a encaminhar pacientes a médicos para assistência adicional [15].

Serviços naturopáticos não são cobertos pelo Medicare ou pela maioria dos seguros saúde. A expansão do licenciamento naturopático fará os naturopatas parecerem mais legítimos e pode ajudá-los a obter aprovação de leis obrigando companhias de seguro a cobrirem seus serviços.

Escopo da Prática

A maioria dos naturopatas alegam que virtualmente todas as doenças estão no alcance de sua prática. As publicações naturopáticas mais abrangentes ilustrando esta crença são as duas edições de A Textbook of Natural Medicine (para estudantes e profissionais) [16, 17] e as duas edições da Encyclopedia of Natural Medicine (para leigos). [18,19] O livro-texto, que tem mais de quarenta colaboradores e mais de mil páginas, foi publicado em 1986 e atualizado com encartes de páginas removíveis até 1996 [16]. Uma segunda edição encadernada foi publicada em agosto de 1999 [17]. A enciclopédia tinha 630 páginas em sua primeira edição (1990) e tem 958 na segunda edição (1998). Joseph E. Pizzorno, N.D., presidente da Bastyr University, e Michael T. Murray, N.D., um membro da faculdade, editaram o livro-texto e são co-autores da enciclopédia. Os dois livros recomendam medidas dietéticas questionáveis, vitaminas, minerais e (ou) ervas para mais de 70 problemas de saúde variando de acne à AIDS. Para muitos desses distúrbios é recomendado a administração diária de dez ou mais produtos -- alguns em doses altas o suficiente para causar toxicidade. Alguns tratamentos são recomendados mesmo que os autores indiquem que a evidência que os apóia é preliminar, especulativa, ou mesmo conflitante. Os dois livros discutem exames diagnósticos dúbios como se tivessem validade. Arnold Relman, M.D., editor-chefe emérito do The New England Journal of Medicine; escreveu uma resenha devastadora do livro-texto de 1999 na qual ele concluiu: 

Muitos dos tratamentos recomendados no livro-texto. . . . são pouco prováveis de serem eficazes, e tratamentos comprovados como eficazes são muitas vezes totalmente ignorados. Isso pode por em risco a saúde e segurança de pacientes com doenças graves que contam apenas com a assistência de profissionais naturopáticos [20]. 

Pizzorno e Murray alegam que "em muitos casos, a alternativa naturopática  oferece benefícios significativos sobre práticas médicas padrão". [21] Para as poucas doenças em que sua enciclopédia reconhece que o tratamento médico é essencial (porque de outro modo o paciente pode morrer), eles propõem o tratamento naturopático como complemento. Em muitas passagens, descrevem práticas médicas correntes de maneira errada.. 

A enciclopédia alega, por exemplo, que o tratamento médico do hipotireoidismo envolve o uso de tireóide desidratada ou hormônio sintético da tireóide, mas que os naturopatas preferem tireóides desidratadas. Pizzorno e Murray também alegam que "preparações de tireóide de lojas de alimentos naturais . . . . podem oferecer apoio necessário" para medicar um problema moderado de tireóide, mesmo que o FDA exija que tais produtos não contenham hormônios. Médicos científicos consideram a tireóide desidratada (feita de glândulas secas de animais) com um produto inferior porque sua potência pode variar de lote a lote. Hormônios sintéticos da tireóide fazem o serviço eficientemente. Usar um produto que pode não conter hormônio algum é ainda mais ridículo. O livro também alega (incorretamente) que medir a temperatura axilar ao acordar é um exame confiável da função tireoidiana. 

O capítulo sobre angina dá uma recomendação entusiasmada da terapia de quelação, a qual a comunidade científica considera inútil. O capítulo sobre "desintoxicação" alega que 25% dos americanos sofrem de envenenamento por metais pesados e defende jejuns periódicos e vários tipos de suplementos e ervas. O capítulo sobre "celulite" alega que um extrato de gotu kola  "demonstrou resultados expressivos". O capítulo "Candidíase" traz o diagnóstico da moda de "hipersensibilidade a cândida" do Dr. William Crook e inclui o questionário de três páginas de Crook para determinar a probabilidade de que "problemas ligados a leveduras estejam presentes". O questionário não tem a menor validade. 

Em The Complete Book of Juicing, Murray recomenda sucos para tratar várias doenças. Ele também aconselha a todos que usem suplementos porque "mesmo o mais dedicado defensor da saúde . . . não consegue possivelmente satisfazer as tremendas exigências nutricionais para saúde ótima apenas através da dieta". [21] Essas idéias não possuem validade científica. 

Em outro livro, Murray alega que os sucos são valiosos porque o suco fresco fornece ao corpo enzimas "vivas" [22]. Essa idéia é absurda. As enzimas em plantas ajudam a regular as funções metabólicas das plantas. Quando ingeridas, elas não agem como enzimas dentro do corpo humano, porque são digeridas ao invés de absorvidas intactas pelo corpo [23].

Um Relato Revelador

O livro de Pizzorno, Total Wellness: Improve Your Health By Understanding Your Body's Healing Systems, contem um capítulo intitulado: "Fortaleça Seu Sistema Imune", no qual o seguinte relato é usado para ilustrar como os naturopatas consideram a "supressão imune" como uma causa básica das doenças:

Vários anos atrás começou a desenvolver grandes verrugas em diversos de meus dedos. Verrugas são um fenômeno interessante; tendem a crescer ou regredir de acordo com funcionamento do sistema imune. Apesar de tratá-las várias vezes com óleo thuja (um tratamento naturopata padrão para verrugas), elas não responderam muito bem. Fiquei perplexo porque estava vivendo um estilo de vida bastante saudável e usando uma terapia que costumava usar com sucesso em muitos pacientes. 

Então consultei o dentista. Como tive somente uma cárie, não tenho ido ao dentista há muitos anos. Surpreendentemente, os raios-X revelaram um abscesso naquele dente -- a restauração não tinha sido vedada apropriadamente. Uma semana de antibióticos acabou com a infecção, e dentro de três meses todas as minhas verrugas sumiram. Ainda que não tivesse nenhum outro sintoma, o abscesso estava continuamente drenando meu sistema imune [24].

Qualquer programa de assistência odontológica preventiva sensato deveria incluir consultas a cada 6-12 meses para limpeza profissional (para remover cálculos gengivais para impedir doenças na gengivas), um exame para sinais precoces de cárie dentária e exames ocasionais de raios-X para detectar problemas ocultos. Como que Pizzorno -- apesar de toda sua conversa sobre prevenção -- não acredita que deveria consultar o dentista para check-up como o restante de nós? Qual é o significado dele deixar que verrugas grandes se desenvolvessem em seus dedos sem que buscasse tratamento médico? (Você mesmo pode decidir sobre isto.)

A resolução do abscesso realmente levou ao desaparecimento das verrugas? Duvido que isso tenha sido estudado cientificamente. Entretanto, é bem conhecido que a maioria das verrugas comuns desaparecem espontaneamente dentro de dois anos ou podem ser eficazmente removidas com tratamento médicos simples sem deixar cicatrizes [25].

Outro Lampejo Revelador

A AANP alega que os "clínicos naturopatas não se opõem a medidas invasivas e supressivas quando estes métodos são necessários [e] fazem encaminhamentos para tais tratamentos quando apropriado". [5] Duvido que a maioria dos naturopatas se encaixem nessa descrição. Muitos naturopatas defendem nutrição e medidas de estilo de vida que coincidem com recomendações médicas atuais. Entretanto, esse conselho é freqüentemente acompanhado por conselhos fora dos padrões que são irracionais. Embora os naturopatas aleguem enfatizar a prevenção, a maioria se opõem ou são extremamente críticos a imunização. A AANP se opõem a imunização obrigatória [26].

Recentemente, como parte de avaliação de custódia de uma criança, examinei registros de nove naturopatas que tinham tratado uma criança cuja mãe era contrária à assistência médica e fora matriculada por pouco tempo como estudante de naturopatia. A criança não estava apropriadamente imunizada e não consultou um médico até desenvolver diabetes melitus insulina dependente (DMID) um pouco antes de completar oito anos de idade. Embora episódios de "congestão de peito", "tosse crônica", "vaginite", "ardência urinária" e "asma" fossem anotados nos registros, não houve nenhuma indicação de que esses problemas tinham sido adequadamente diagnosticados ou apropriadamente tratados. (Um episódio de "congestão de peito", por exemplo, foi tratado com remédios homeopáticos.) Três dos naturopatas usaram um aparelho Vegatest para diagnosticar "alergias" ao açúcar e a muitos outros alimentos e tinham recomendado diversas restrições dietéticas, mesmo que a criança não tenha reagido adversamente a qualquer um dos alimentos. (O Vegatest é um aparelho charlatanesco que simplesmente mede a quantidade de umidade da pele e o grau de pressão que o praticante exerce sobre uma sonda contra os dedos do paciente.) Outro praticante recomendou terapia de quelação após diagnosticar "envenenamento por metal pesado" com uma análise do cabelo. Os tratamentos recomendados tanto para as doenças reais como para as inexistentes incluíram regimes de mais de 35 comprimidos por dia, incluindo alguns suplementos em doses potencialmente tóxicas. O único encaminhamento para um médico ocorreu após a criança desenvolver sinais graves de diabetes. Embora os nove naturopatas não constituam uma amostra aleatória, suas práticas não científicas foram consistentes com livros e trabalhos naturopáticos típicos 

Escândalo no Arizona

Em maio de 2001, o Comitê Clínico Naturopático de Examinadores Médicos do Arizona demitiu seu diretor executivo, John L. Brewer, D.C., após alegações de que ele destruiu documentos, copiou exames e adulterou suas credenciais. De acordo com um relato do Arizona Republic, um membro do comitê descobriu que Brewer não recebeu um título de naturopata de uma escola em Los Angeles como ele havia alegado em seu pedido de licença [27]. 

Em junho de 2000, o Auditor Geral do Arizona criticou severamente a performance do comitê. As deficiências mais graves envolviam o exame de licenciamento naturopático, o qual não foi validado para assegurar que testasse o que os naturopatas precisariam para praticar com segurança. Ainda pior, o comitê consistentemente "ajustou" escores para cima de modo que todos que fizeram o exame desde 1998 fossem aprovados. Com o exame de fevereiro de 1999, por exemplo: 

O relatório do Auditor Geral também apontou que queixas ao comitê não receberam atenção adequada e que a manutenção de registros e administração geral têm sido inadequadas [28].

A Linha Final

Em 1968, o U.S. Department of Health, Education, and Welfare (HEW) fez recomendações contra a cobertura da naturopatia pelo Medicare. O relato da HEW concluiu:

A teoria e a prática da naturopatia não estão fundamentadas no corpo de conhecimentos básicos relacionados com a saúde, doença e assistência à saúde que tem sido amplamente aceito pela comunidade científica. Além disso, sem considerar sua teoria, o escopo e a qualidade da educação naturopática não preparam o praticante para fazer um diagnóstico adequado e oferecer tratamento apropriado. [29]

Embora alguns aspectos da educação naturopática tenham melhorado nos últimos anos, acredito que esta conclusão ainda é válida. Acredito que a média dos naturopatas é de alguém com uma cabeça confusa que combina medidas de nutrição e saúde do senso comum e o uso razoável de algumas ervas com uma grande variedade de práticas não científicas e um discurso anti-medicina

Referências

  1. National Association of Naturopathic Physicians. Outline for study of services for practitioners performing health services in independent practice. Portland OR: NANP, Sept 10, 1970. In Social Security Amendments of 1970. Hearings before the Committee on Finance, United States Senate, Ninety First Congress, Second Session, on H.R. 17550. September 14, 15, 16, 17, and 23, 1970. Washington, DC: U.S. Government Printing Office, 1970, pp 734-754.
  2. Introduction to Level 2: The Natural Foods Education Program, Lesson 1. Seattle, WA: Bastyr College, 1990.
  3. Turner RN. Naturopathic Medicine: Treating the Whole Person. Wellingborough, Northamptonshire, England: Thorsons Publishers Limited, 1984, 1990.
  4. Naturopathic medicine: What it is . . . What it can do for you. Undated flyer, American Association of Naturopathic Physicians, Seattle, Washington, circa 1990.
  5. Twenty questions about naturopathic medicine. Flyer, American Association of Naturopathic Physicians, Seattle, Washington, 1989.
  6. Green S. Can any cancer treatment strengthen the immune system? Quackwatch web site, 1998.
  7. Friedlander ER. Mental imagery. In Barrett S, Cassileth BR. Dubious Cancer Treatment. Tampa, FL: American Cancer Society, 1990.
  8. Cody, G. History of naturopathic medicine. In Pizzorno JE Jr, Murray MT, editors. A Textbook of Natural Medicine. Seattle, 1985-1996, John Bastyr College Publications.
  9. Tilden JH. Appendicitis: The Etiology, Hygienic and Dietetic Treatment. Denver: self-published, 1909.
  10. Fishbein M. Naturopathy and its professors. Fads and Fallacies in Healing. New York: Blue Ribbon Books, 1932, pp 117-139.
  11. Baer HA. The potential rejuvenation of American naturopathy as a consequence of the holistic health movement. Medical Anthropology 13:369-383, 1992.
  12. Staff Analysis of the Petition for Continued Recognition Submitted by Council on Naturopathic Medical Education. U.S. Department of Education, December 1999.
  13. Transcript of the National Advisory Committee for Institutional Quality and Integrity, Dec 6, 1999.
  14. Barrett S. Naturopathic accreditation agency loses federal recognition. Quackwatch, Feb 9, 2002.
  15. Garcia JA. Naturopathic Physicians, 1998 Sunset Review. Colorado City, CO: Office of Policy and Research, Colorado Department of Regulatory Agencies, Oct 15, 1998.
  16. Pizzorno JE Jr, Murray MT, editors. A Textbook of Natural Medicine. Seattle, 1985-1996, John Bastyr College Publications.
  17. Pizzorno JE Jr, Murray MT, editors. A Textbook of Natural Medicine, 2nd Edition. Philadelphia, WB Saunders Company, 1999.
  18. Pizzorno JE Jr, Murray MT. Encyclopedia of Natural Medicine. Rocklin CA, 1990, Prima Publishing & Communications.
  19. Pizzorno JE Jr, Murray MT. Encyclopedia of Natural Medicine, 2nd Edition. Rocklin CA, 1998, Prima Publishing & Communications.
  20. Relman A. Textbook of Natural Medicine. Book review, Jan 9, 2001.
  21. Murray MT. The Complete Book of Juicing. Rocklin, Calif.: Prima Publishing, 1992.
  22. Barrett S. Juicing. Quackwatch Web site, 1998.
  23. Korditch JT with Murray MT. The Juice Advantage. Seattle, WA: Trillium Health Products, 1992.
  24. Pizzorno JW Jr. Total Wellness: Improve Your Health By Understanding Your Body's Healing Systems. Rocklin CA, 1996, Prima Publishing & Communications.
  25. Berkow R, editor. Merck Manual, 16th Edition. Rahway, NJ: Merck Research Laboratories, 1992.
  26. American Association of Naturopathic Physicians' position on childhood immunizations. Resolution, AANP House of Delegates, Nov 1989.
  27. Cohen W. Naturopathy. In Independent Practitioners under Medicare: A Report to Congress. Washington, D.C, 1968, US Department of Health, Education, and Welfare, pp 126-145.
  28. Fehr-Snyder K. Naturopathic board director on leave. Arizona Republic, May 11, 2001. Naturopathic Board votes to votes to fire chief: Allegations tied to credentials, paper shredding. Arizona Republic, May 12, 2001.
  29. Davenport DK. Performance Audit: Arizona Naturopathic Physicians Board of Medical Examiners. Report No. 00-9, June 2000.
  30. Beyerstein BL, Downie S. Naturopathy. Scientific Review of Alternative Medicine 2(1):20-28, 1998.

Protesto do Leitor

Sou estudante de medicina naturopática, e lendo atentamente seu site senti necessidade de enviar um comentário. Estou furioso e ao mesmo tempo entristecido, se é que isso é possível; como ousa escrever artigos intitulados "A Asneira da Ayurvédica" e "Aromaterapia, Faturando Alto com as Fragrâncias"?  Por que você precisa ser tão incrivelmente petulante e repudiante, do que você tem medo? Você é que está desonestamente enganando o público. Você crítica/repudia práticas medicinais (ayurvédica, MTC, herbalismo), de países que têm milhares de anos, seduzindo o público geral com estatísticas, testes e método científico. O que você está esquecendo de mencionar para as pessoas é que a medicina alopática (ocidental) tem menos de 400 anos, uma simples criança no ciclo de vida da medicina e cura. A medicina alopática é responsável para números incontáveis de mortes devido ao diagnóstico ruim, interações mortais de drogas, uso de seres humanos como cobaias para drogas novas e melhoradas (somente para descobrir anos mais tarde o dano que muitas dessas drogas causaram) e o 'tratamento imediato', abordagem band-aid de cura. 

Aguardo com interesse para ler TODOS os artigos do site, estou certo que fazer isso favorecerá minha fé na Medicina Alternativa. Veja, a medicina alternativa não está interessada em insultar a medicina ocidental de modo a fortalecer suas práticas de cura; para ser honesto, por que você não inclui artigos sobre os muitos perigos e mortes da medicina moderna? Penso preencheria este site agradavelmente. 

Quackwatch em português

Este artigo foi publicado em 22 de abril de 2002.

1